Ciclofaixa e a incrível impunidade brasileira

Foto: Google Images

Após ler o artigo publicado no Blog de minha prima Patrícia, me fez cuspir algumas informações, opiniões própria sobre essa questão da ciclofaixa, até porque no ano passado participei ativamente de um documentário que aborda a mesma temática, mas com enfase em outros aspéctos (Share The Road Movie de Andressa Nozue), são questões que vão além do post da minha prima, para começar, eu não acredito na segregação entre carros e bicicletas por sí só, isso já é um ato falho; covarde, porque você “deseduca” o motorista em relação a respeitar o ciclista, o pedestre; enfim toda e qualquer forma de locomoção a tração humana ou seja, não motorizada, isso sim é um desrespeito ao ambiente que democraticamente ali, é/deveria ser público de comum acordo e uso.

Porém, no Brasil o caso é mais sério, pois existe a lei (art.201 do Código de Trânsito) que define basicamente que os veículos motorizados devem estar a 1,5m de distância do ciclista, conforme esse banner divulga http://migre.me/66hGE e este post de um forum onde explica bem a tal lei http://migre.me/66hJD

Está claro, não ha esse respeito, é uma questão de educar as pessoas no trânsito, respeitar a vida humana em sí é inquestionável.

Aí sim, nem ciclofaixa haveria de existir (por isso digo que sou contra a ciclofaixa no geral, não apenas em Moema), mais é esta a grande questão: O Brasil não tem infraestrutura (falta de espaço neste caso, em SP nem se fala) para prover, cobrar dos motorizados o 1,5m de distância entre tais veículos e ciclistas, mesmo havendo a lei, ela sendo concisa, “não” tem como ser cobrada, aí vem a segregação.

Por isso CET, Governo e afins, criam as ciclofaixas de bunda, uma forma paliativa e subliminar de proteger o ciclista da falta de educação e infraestrutura para respeitar a lei e claro, evitar (encobrir vai, cai melhor nesse raciocínio) eventuais impunidades de um veículo motorizado passar por cima de qualquer forma de transporte a tração humana.

Porque é esse o “único” problema do Brasil; corrupção e ferimentos da Lei há em todo o mundo, em qualquer país, mas aqui você comete um crime, infringe uma lei que seja e fica impune; é uma das fortes características que o Brasil tem a te oferecer (Fora Carnaval, Futebol e outras que se dizem riquezas), afinal, país rico é um país sem pobreza.

É por isso que mal pedalo em São Paulo como forma de transporte, apenas e bem eventualmente como lazer (o que é muito triste por sinal), gostaria de me sentir mais seguro, mas EU, não me sinto, fora a violência urbana (Se um carro não passa por cima de ti, um “faveladinho” cretino te leva a bike), triste né? Viver na defensiva não é vida.

É por isso que com a falta de qualidade dos transportes públicos, a maioria opta pelo carro para deslocar-se entre um ponto e outro, os riscos são menores, mais não inevitáveis.

Que orgulho; este é o país que quer sediar a Copa do Mundo em 2014.

#PedePraSairZeroDois

Este post é um resumo de uma versão mais completa, postada no PautaLivreNews, acesse e confira!

{That’s all Folks}
Marcelo Quiñónez

Publicado em Filosofia, Politica, Sustentabilidade, Vida? | Com a tag , , , , , | 1 comentário

DNS para Todos, by Google!

googlednsTexto por: Marcelo Quiñónez
Imagem: Google Images, oras bolas!!

Há rumores de que a Google quer dominar o mundo, será mesmo?! Hoje a Google anunciou seu novo serviço High Tech, de DNS (Domain Name System), uma analogia para “dummies”, todo brasileiro tem seu CPF, mas ninguém te chama por ele, e sim pelo seu nome — a mesma coisa acontece em nosso dia à dia quando navegamos, não digitamos IPs da Google certo?! .. e sim um www.google.com, que por trás é um número, o nome é algo para facilitar a nossa vida, e é exatamente isto que um servidor DNS faz, “traduz” um nome é um IP, pensando nisto, a Google resolveu “reservar” dois ranges de IP ridiculamente fáceis de lembrar (8.8.8.8 e 8.8.4.4.) para que possamos usar como nossos servidores de DNS primário e secundário e tornar a nossa navegação mais rápida e segura (segundo eles), em outras palavras, querem saber mais sobre onde você anda navegando.

Outro serviço muito semelhante (mas não igual) é da OpenDNS.org (208.67.222.222 e 208.67.220.220) David Ulevitch, um dos fundadores, soltou uma nota no Blog da companhia (http://blog.opendns.com/2009/12/03/opendns-google-dns/) alertando as principais diferenças e experiências que podemos ter como usuário, em utilizar o Google Public DNS e o OpenDNS.org — Um apanhado geral, podemos dizer que os 5 pontos são:

  1. OpenDNS, oferece um painel de controle, onde o usuário ou empresa que usufrui do serviço, tem a liberdade de configurar sites indesejados, perigosos ou palavras chaves que possam levar a usuários ao ato falho de abrir paginas de Phishing, Virus entre outros, diferente do Google Public DNS que “ainda” não tem esse controle, mas dizem oferecer segurança também, mas se a liberdade de escolha e controle;
  2. A Google, percebeu o quanto um DNS é importante na infraestrutura da internet e em seu rápido e sólido crescimento nos dias atuais, segundo Ulevitch, isto faz parte da nativa missão da OpenDNS, e por serem pioneiros nessa qualidade de serviço oferecido às empresas e usuários que gratuitamente podem usar seu serviço;
  3. A Google afirma que seu produto DNS é mais ágil por não conter anúncios e filtros, assim como a OpenDNS possui, mas Ulevitch, deixa claro que a Google é uma das maiores e melhores empresas de publicidade na internet e filtrar conteúdos de suas buscas o que torna um paradoxo citar como argumento tal agilidade de seu novo serviço de DNS, Ulevitch completa também, que “todos” estão sempre usando algum serviço da Google, usar o DNS deles, certamente tornará a navegação em alguns aspéctos até mais veloz por estarem acessando basicamente um único local e ressaltar que a politica de privacidade deles é séria e certamente eles não fariam comércio algum, destas informações dos serviços de DNS, que são pessoais …¬¬ o que será  que isto quer dizer?!
  4. Este novo serviço da Google, nos mostra o quanto usuários, empresas e outros setores, não devem contentar-se em usar apenas os servidores de DNS que nossos provedores nos fornecem, um grande exemplo é o caos que foi para clientes Speedy quando seu datacenter incendiou-se e com isso, os DNSs pararam de funcionar, e a OpenDNS foi a salvação de inúmeros órfãos no que diz respeito à “resolução de nome”(DNS) na internet brasileira, essa mesma flexibilidade em poder escolher o DNS nos últimos anos, em um degrau menos técnico para melhor compreensão , ocorreu com o surgimento do Gmail, o primeiro serviço de e-mail da única empresa maluca a oferecer 1GB de caixa postal do planeta, e muitos começaram a migrar de seu Yahoo!, Hotmail e outros e é isto que a OpenDNS destaca-se, a primeira em oferecer liberdade no uso de um DNS rápido (cache) e seguro;
  5. Ulevitch, finaliza como quase um desabado de pensamento, onde certamente muitos pensam mas tem receito de por para fora: Não ficou muito claro para as pessoas em geral, usuários de internet se realmente queremos que a Google tenha o controle sobre todos serviços e experiências na Internet, mais do que eles já exercem, temos do recente comunicado do Chrome OS, até no botão de busca na página da Google, e de cabo à rabo, todos os principais serviços da web, estão sendo comandados pela Google, subliminarmente podendo dizer que é a maior empresa de publicidade do planeta terra, Ulevitch prefere uma Internet mais heterogênea, com grupos e comunidades e empresas colaborando em conjunto, tornando produtos e serviços em constante funcionamento, do que a internet apenas nas mãos de uma grande empresa.

Eu fiz alguns testes básicos e idiotas de PING (apenas para saber a velocidade que meu computador demora para acessar o IP do Google Public DNS e da OpenDNS.org apenas em carater “Lab”) — e para minha surpresa o Google Public DNS retornou entre 15 à 25ms (milisegundos), um ping que para muitos brasileiros em território nacional, é a velocidade que costuma retornar um PING no site do UOL por exemplo… em quanto o OpenDNS.org, retornou entre 140 à 150ms. Certamente vou considerar isso, e usarei por uns dias do DNS da Google e ver se realmente me sinto mais veloz, se meus Torrents virão como Felipe Massa ou não.

Para você que ainda confia na virgindade da Google, veja um exemplo de serviços que eles oferecem e entenda um pouco do porque eles querem, vão e estão “dominando” o mundo, ao estilo War de Jogar, começando pelo continente “americano”.

  • Google Maps, eles sabem onde você quer ir;
  • Google Talk, eles sabem com quem você fala;
  • Gmail, eles sabem com quem você se corresponde;
  • Google Analytics, eles sabem quem visita o seu site/blog;
  • Orkut, eles sabem quem são seus amigos e comunidades;
  • Google Checkout, eles sabem o que você anda comprando;
  • Google Docs, eles sabem com o que você trabalha ou estuda;
  • Google Wave, eles sabem com quem você (“surfa”) ou corresponde rapidamente;
  • Google Calendar, eles sabem quais são seus compromissos;
  • Google Translate, eles sabem o que você não de algum idioma e precisa traduzir;
  • Google Books, eles sabem quais livros você lê ou gostaria de;
  • Google Reader, eles sabem quais notícias e informações são relevantes para você;
  • Google Web History, eles sabem tudo o que você anda pesquisando na web;
  • Google Chrome eles sabem quais sites/onde você navega;
  • Google Chrome Bookmark Sync, de onde você navega, eles sabem quais páginas são mais importantes para você;
  • Google Public DNS, braço direito do navegador Chrome, eles sabem os principais IPs/Sites que você navegará.

Se quiser saber mais sobre Google Public DNS (http://code.google.com/speed/public-dns) — Chega né? Já está me dando tontura e azia — mas a Google oferece uma lista pelo menos 3x maior que esta em produtos e serviços que certamente eles SABEM algo à mais de você, não listado à cima.

{That’s All Folks}
Marcelo Quiñónez

Publicado em Gadgets, Tecnologia | Com a tag , , , , , , | 2 comentários

10 modelos da comunicação íntima moderna

Communication Levels

Publicado em Tecnologia | Com a tag , , , , , , , , , , , | Deixar um comentário

Técnicas não militares de obter atenção!

Posted via web from Marcelo Quiñónez’s post3rous

Publicado em Amigos | Deixar um comentário

Peligro, servicio tecnico… activar!

Referência: http://www.flickr.com/photos/mundogeek/3861870137

Posted via web from Marcelo Quiñónez’s post3rous

Publicado em Amigos | 1 comentário

É o Rap do Sarney!

É o Rap do Sarney!

Posted via web from Marcelo Quiñónez’s post3rous

Publicado em Amigos | Deixar um comentário

Suplicy explode com um “cartão vermelho” ao Sarney!

Vossa Excelência, tomais no….TÔ ESPERANDO, O SUQUINHO DE MARACUJÁ! (:

Posted via web from Marcelo Quiñónez’s post3rous

Publicado em Amigos | Deixar um comentário

Marcelo Quiñónez 1 x 0 Gripe Suina

Powered By Swine FluArtigo Powered By #SwineFlu
Texto por: Marcelo Quiñónez

É infelizmente foi por pouco, peguei, foi rápido as duas semanas de quase total descançao, e o tratamento é simples, basta ficar de repouso, alimentar-se super bem e CAMA, afinal, o Tamiflu precisa fazer efeito o tal do “fosfato do caralho-a-quatro”, mais informações aqui. — Quem quiser estou distribuindo abraços e beijos na bochecha para que as pessoas possam desenvolver sua própria proteção contra o H1N1 ou não.

{That’s All Folks}

Publicado em Rapidinhas, Vida? | Deixar um comentário

1001 filmes ou 150mil minutos?!

Fotos, Montagens e texto, por: Marcelo Quiñónez

Apesar de muita gente achar (e outros chegaram até afirmar) que este post seria um mito, a péssima notícia é que ele não é! Olhe ele aqui, e vale ressaltar também, que este, não é um post pago, a propaganda sobre o livro em questão, é pelo amor ao cinema, logo, filantrópica e servirá para para para para informar, motivar e instigar a curiosidade das pessoas aos melhores filmes que fazem parte da história no cinema, em formato de livro, segue uma lista cronológica quase que interminável. Assim podemos definir basicamente o que seria o livro 1001 filmes para ver antes de morrer, escrito por Steven Jay Schneider, é um material preciosíssimo para aquelas pessoas que amam cinema e querem ter em mãos algo que os faça lembrar, emocionar e divertir-se – Quem enquadrou-se nestas condições, podem, facilmente comprá-lo com a maior segurança de não se arrepender ou não. 😛

… Mas, quanto tempo levaria para assistir 1001 filmes?! (Afinal, um pouco de prazer nunca é de mais, certo?)

Collage, Filmes: [1] Viagem à Lua (1902), [2] Os Vampiros (1915),
[3] O Gabinete do
Dr. Caligari (1919),  [4] Häxan – A Feiticeira Através dos Tempos (1923),
[5] Sherlock Jr.(1924), [6] O Fantasma da Ópera (1925),  [7] Em Busca do Ouro (1925),
[8] Couraçado Potemkin (1925), [9] The Big Parade (1925),  [10] Outubro (1927),
[11] Um cão andaluz (1928) e [12] Diabo a Quatro (1933).

# Introdução: Ranking > Top 10, Top 100 e afins

Não posso criticar as listas “Top 100” e até mesmo as irresponsáveis “Top 10” que existem por ai, mas em geral, são listas com tempo de vida curta, sendo anuais ou limitadas por algum tipo gênero ou época, e são encontradas em jornais, revistas, blogs e sites de cinema em geral.

Chamo de irresponsável essa seleção inferior (do que 1001), pois limitar de 10 á 100 é torna impossível o trabalho de fazer uma “responsável” separação dos “melhores”, os mais valiosos, os mais importantes, os mais inesquecíveis filmes, é preciso uma lista que faça justiça e dê cobertura a toda a história do cinema. Mesmo assim, eu disse que não poderia criticar, porque o que seria do deste livro (1001) sem essas listagens limitadas?! “1001” tem uma larga abrangência, é para botar respeito em qualquer listinha cinematográfica por aí.

Pensando dessa forma, uma lista com 1001 filmes já começa a ficar pequena, talvez não tão pequena se mantermos nela os filmes do cinema mudo, experimentais, independentes, do Oriente Médio, da Índia, da América Latina, da Europa, Animações, Documentários, Curta-metragens e outros. Mas certamente a estratégia para tirar certos filmes dessa seleção, foi algo bem difícil para o Autor, no próprio prefacio do livro você encontra alguns explicações filosóficas da criterização usada para escolha, tratando todos os tipos e as tradições culturais heterogêneo do cinema e arte com um único respeito e igualdade .

# Comprar ou não comprar? Eis a questão!

Em momentos de crise que o mundo e alguns brasileiros (como eu) vem passando, e que não tem ainda esse livro em mãos (que não é o meu caso), podem querer ou não comprá-lo, é uma decisão inteiramente sua, o preço dele está bem sugestivo (2009) na #Fnac aqui de São Paulo, por R$ 46,90, já na #LivrariaCultura (se tu não for cliente +Cultura) sai nada menos que R$ 59,90. Acho muito válido correr um risco que valer a pena, não apenas de comprá-lo, mais o esforço de assistir todos os filmes dessa coleção de preferência antes de você morrer, eu até o presente momento já assisti aproximadamente 200 dos 1001 filmes, e posso afirmar que você morrerá um feliz frequentador de cinema, ou seja; quanto mais filmes tu assistir, melhor será para você, seja no céu ou no inferno. Rá!

Collage, Filmes: [1] King Kong (1933), [2] Cidadão Kane (1941), [3] Paixão de Fortes (1946),
[4] Três Homens em Conflito (1956), [5] Casablanca (1942), [6] Aconteceu Naquela Noite (1934),
[7] O Mágico de Oz (1939),  [8] Atire a Primeira Pedra (1939),
[9] O Que Terá Acontecido a Baby Jane? (1962),  [10] A Felicidade Não Se Compra (1946),
[11] O Exorcista (1973), [12] Laranja Mecânica (1971) e  [13] Saló, os 120 Dias de Sodom (1975).

Collage, Filmes: [1] Felicidade (1998), [2] Asas do Desejo (1987),
[3] Uma Cilada Para Roger Rabbit (1988),  [4] Edward Mãos de Tesoura (1990),
[5] Star Wars (1977), [6] Man Bites Dog (1992),  [7] Fargo (1996), [8] Violência Gratuita (1997),
[9] Dançando no Escuro (2000) e [10] Oldboy (2003).

# Momento Estatística (Porque 1001 filmes, não se vê em 1 semana, certo?!)

Sendo bem otimista eu diria 3 meses intensos, sem parar, se dormir, sem se alimentar, sem fazer necessidades básicas, sem fazer amor, sem fazer absolutamente nada! Apenas assistindo à filmes! Nada mal em?!

Ok, vamos para um cenário mais realista; partimos para o lado pessimista da história: Que tal assistirmos 1 filme por dia, apenas nos dias úteis da semana de cada mês?! Estamos falando de aprox. 20 dias, logo 20 filmes ao mês; 1001 filmes? Vamos arredondar esses cálculos por questões de margem de erro matemática 😛 … temos 51 meses ou 5 anos de filmes, injetados diretamente em sua veia.

Loucura? Para amantes do cinema, não tem nada de loucura isso! Cada louco com sua mania, cada um com a sua loucura!

# Um dos próximo Posts, teremos as lista?

Sim! Teremos um post inteiramente dedicado á listagem de filmes, incluindo a quinta edição americana, deste livro “1001 filmes para ver antes de morrer”, fora o “Top100 da Bravo” e uma lista de interessantíssima de filmes cults da “ECA/USP“, ambos, carinhosamente, nos enviado, pela leitora @brunabuzzo.

{That’s All Folks}
|07|02|2009|

Publicado em Amigos, Cinema, Cultura, Literatura, Rapidinhas, Sustentabilidade, Tecnologia, Vida? | Com a tag , , , , | 2 comentários

… a verdadeira Santa Ceia!

Por: Marcelo Quiñónez

Não preciso dizer nada…. ou preciso? OU PRECISO?

@TheSorrow enviou isto numa das públicas twitadas noturnas e
obviamente minha cabeça teve explosões múltiplas!
Eu não encontrava isto fazia anos, e agora solto a pergunta:

Onde encontro um poster disto…?!
(Quem souber, adoraria ser informado; terá recompensas!!)

download da imagem em ‘alta’ (podemos dizer assim)

{That’s All Folks}
|06|02|2009|

Publicado em Cinema, Cultura, Filosofia, Rapidinhas, Vida? | Com a tag , , | 3 comentários

Obamis, Foreveis Caciudis!

GENIAL!
Sempre fui fã desse cara! Votaria nele fácil! Rá :)
PS: Créditus? Bem, não sei quem foi que fez, mas se souber, creditarei!

obamis

Publicado em Cultura, Filosofia, Rapidinhas, Sustentabilidade, Vida? | Com a tag , , , , , | 2 comentários

Boa noite, Benjamin.

Por: Marcelo Quiñónez

Um filme onde algumas pessoas nascem para sentarem na beira do rio; algumas são atingidas infinitamente por raios; algumas têm ouvido para a música; algumas são artistas ou marinheiros; algumas nadam, algumas entendem bem de botões, algumas pessoas… Dançam, algumas conhecem profundamente Shakespeare e outras algumas… sabem ser mães!

Assim, claramente podemos definir este drama, esta fantasia, este misterioso e clássico romance escrito por F. Scott Fitzgerald nos anos 20, e com a brilhante direção de David Fincher onde narra toda a cronologia da história de Benjamin Button (vivido e interpretado por Brad Pitt), um homem que desde seu nascimento e logo rejeitado, passa por uma evolução fora do comum onde fenômenos e consequências, envolve seu rejuvenescimento um tanto quanto precoce.

Não aparentando, Benjamin era uma criança!Não aparentando, Benjamin era uma criança!

O Enredo, aborda delicadamente esta evolução, de New Orleans em 1918, aproximadamente até no fim da Primeira Guerra Mundial – e daí para o fim, a juventude embarca na mesma velocidade em que os ponteiros seguem fazendo tic-tac em ré menor pelo ouvido da pessoa que muito bem aprendeu a música, o piano indo até, o comecinho do século XX1.

Aos que sabem dançar, um indescritível momento de sedução.Aos que sabem dançar, um indescritível momento de sedução.

Um GENIALFENOMENAL e CROCANTE adaptação para o roteiro por Eric Roth… e como sempre, sem comentário para “Srta.” Blanchett, um espetáculo de atuação, não é a toa, que este filme está no TOP 250 do IMBD (o maior site banco de dados sobre cinema da web), na posição de #63

Encerro por aqui, para não deixar mais pistas e suaves lágrimas relacionado ao filme e à supostos #Spoilers! E um muito obrigado à @catyfairy, pelos links enviandos, onde me fez priorizar dentro de meu limitadíssimo tempo, assistir este lindo filme.

Em quanto isso, assistam ao #TrailerOfficial em HD #Apple -> AQUI,
ou no Youtube, naquela maravilhosa qualidade de sempre, logo abaixo.

[youtube 9OfMOvcrYLQ nolink]

Ficha Técnica:
Título em Português: O Curioso Caso de Benjamin Button
Título Vernáculo: The Curious Case of Benjamin Button
País e Ano de Produção: EUA/2008
Gênero: Drama, Romance, Fantasia e outras coisas mais…
Estréia no Brasil: 19/01/2009 ?!
Site Oficial: www.benjaminbutton.com
Estúdio/Distrib.: Warner Bros.
Direção: David Fincher
Link IMDB (8.6/10), #63 Top 250: www.imdb.com/title/tt0421715

{That’s All Folks>Namaste!}

Publicado em Amigos, Cinema, Cultura, Literatura, Rapidinhas, Vida? | Com a tag , , , , , , , | 3 comentários

Maysa.

Maysa

Estréia nesta segunda-feira, 5 de Janeiro de 2009, na TV brasileira uma telebiografia em 9 capítulos sobre a vida e carreira da cantora e atriz Maysa Figueira Monjardim Matarazzo, ou apenas Maysa, a grande, a original, primeira e única.

Maysa apareceu como atriz em 6 filmes, 3 telenovelas e como intérprete musical em 4 trilhas sonoras, 3 delas, póstumas.

Paulistana nascida em 1936, casou-se com André, um herdeiro de uma dessas famílias tradicionais que parece esquecer-se de que a República foi proclamada na Itália em 1946. Ela tinha então 18 anos; ele, 40. O casamento duraria apenas 5 anos; da união nasceu Jayme Monjardim, que se tornaria o diretor da minissérie que estréia amanhã. André opunha-se à carreira musical dela.

Na carreira musical, celebrizou-se como cantora no estilo samba-canção, mais especificamente a fossa (como se já não bastassem o blues e o chorinho – que eu gosto!), comparável ao bolero e à bossa nova, mas com ênfase na dor-de-cotovelo. Parece que as grandes músicas exigem mesmo grandes tragédias pessoais (ou grandes bebedeiras, ou ambos). Gravou 18 álbuns em 21 anos pelas maiores gravadoras.

A jovem que precocemente revelou ter talento para a música faleceu também precocemente num acidente automobilístico em 1977.

Voltando aos vivos (só me pedem pra escrever sobre gente morta!), o filho-diretor estreou no cinema com outra biografia, Olga, sobre a vida da Camarada Benario, em 2004, seu único filme até hoje. Jayme Monjardim é mais conhecido por ter dirigido novelas e minisséries para TV nos últimos 25 anos, algumas com suas ex-esposas.

O roteiro é do autor de telenovelas Manoel Carlos e a fotografia é de Affonso Beato, de larga experiência internacional e tendo trabalhado com diretores como Mike Newell, Stephen Frears (A Rainha, que deu o Oscar para Helen Mirren), Walter Salles, Richard Pearce, Almodovar, Jim McBride (incluindo a biografia de Jerry Lee Lewis A Fera do Rock/Great Balls of Fire), Bruno Barreto, Bobby Roth, Arnaldo Jabor, Glauber, Júlio Bressane e Antonio Carlos da Fontoura.

Como trata-se de obra em família, como também foi o caso do documentário Person, dirigido pela filha Marina, será interessante ver como a protagonista é apresentada ao público, principalmente às novas gerações, mas também às velhas, aquelas mesmas encasteladas na Capital Bandeirante e que teimam em ignorar a proclamação da República Italiana. E também qual será a repercussão no mercado musical: Maysa ressuscitará comercialmente das cinzas ou continuará uma desconhecida dos jovens?

Publicado em Cultura, Filosofia, Literatura, Vida? | Com a tag , , , , | Deixar um comentário

SuperBoot 9.7

Hiren's BootCD 9.7Por: Marcelo Quiñónez

Uma rapidinha tecnológica #nerd, um drops, um produto, que merece destaque.

Estamos falando do excelente trabalho que Mr. Hiren’s já faz à alguns anos, em compilar o BootCD onde eu simplesmente, o chamo de SuperBoot, pois tem tudo que você precisa quando falamos de ferramentas para MBR, BIOS, gerenciamento de sistemas, dados, diagnósticos, particionamento de disco, clonagem entre HDs, recuperações de dados em geral e até um anti-virus básico para scan em DOS em casos mais emergenciais.

Claro, é um CD “Bootável” e ridiculamente será útil mesmo quando o Sistema Operacional não subir por algum motivo qualquer o Hiren’s Boot CD entra com sua extensa lista de utilitários e suas funcionalidade quase mágicas.

Saiu essa semana a versão 9.7 do Hiren’s BootCD e isto não é um post patrocinado, mas recomento como nunca, que todos os “power-users” para cima, tenham este CD gravado em seu kit de SOS tecnologia 😉

… mais informações em: http://www.hiren.info/pages/bootcd
Onde você encontra para baixar?! –> No Torrent mais próximo de você 😉

{That’s All Folks}

Publicado em Amigos, Rapidinhas, Sustentabilidade, Tecnologia | Com a tag , | Deixar um comentário

iPhone3G & Yellowsn0w-BETA

Foto e Texto, Por: Marcelo Quiñónez

O YellowSn0w, é o único e sofrido método de desbloqueio por software, já posto em prática desde o seu lançamento oficial, no dia 31 de Dezembro de 2008. Os métodos antigos eram feitos por “ProxySIM’, aquela “plaquinha” medíocre que enganava o iPhone 3G, achando-o, que o GSM inserido fosse da operadora nativa pelo qual o aparelho havia sido inicialmente licenciado.

A internet já está abarrotada de blog’s noticiando ser um sucesso o destravamento por este método, porém há quem não tenha tido esta sorte; conheço algumas, eu mesmo nos primeiros releases, não consegui ser feliz. A porcentagem de sucesso e não sucesso é muito relativo, e por mais que iPhones sejam praticamente iguais, cada um tem seu comportamento particular.

A foto acima foi tirada por mim, após as experiências bem sucedidas com o Yellowsn0w 0.9.5-beta, as versões anteriores estavam extremamente bugadas, instáveis, em um determinado momento, cheguei a perder a cabeça, perder a confiança e seriedade que de fato, está por tráz do projeto; é fato de que estas consequências são pelo fato do produto ser beta (Experimental), ainda.

Mesmo não sendo um processo destrutível, (nada que um RESTORE, não resolva) eu não recomendo usuários comuns de iPhones 3G colocarem suas mãos neste desbloqueio, por mais simples que possa parecer e seus riscos serem pequenos, eles existem, então… Para que a pressa?! Se tu tinha seu iPhone 3G guardado na gaveta desde a época em que a Apple soltou a versão 2.2 no iTunes e muita gente sem querer atualizou, esperar um pouco mais até o lançamento “oficial” da versão 1.0 não faz mal a ninguém, existe a necessidade de muitas melhorias no YellowSn0w ainda.

A Dev Team, em sua página oficial, lançou um cantinho do feedback, onde quem está testando e quem já instalou o YellowSn0wn, pode deixar comentários das experiências que estão vivendo, o projeto deve chegar na sua maturidade não beta, lá pelos nossos momentos de “laiá-laiá” brasileiro de ser: O Carnaval.

Mas vale ressaltar que se por acaso a versão do seu iPhoneOS for 2.1 e você utiliza algum “ProxySIM para destravá-lo, não recomento sair atualizando para versão 2.2, fazer Jailbreak2.2 e depois instalar o YellowSn0w, pois se caso não funcionar por completo este metodo de destravamento por software, não existem maneiras de voltar atrás, ou seja, não tem como fazer um Rollback disso, pois dentro de todas as atualizações que vem no pacote da versão 2.2, uma delas é a atualização do “Baseband” v02.28.00, que na prática não existe forma não destrutiva de voltar atrás – “…não adianta, chorar pelo leite derramado…” []

– Mesmo assim tu quer fazer as experiências em cima da versão “Tá bom assim” do YellowSn0w?!
– Quer saber mais informações, como instalá-lo via Cydia ou Installer!? Dê uma olhada no Blog do Dev Team minha gente: http://blog.iphone-dev.org

{That’s All Folks}

Publicado em Amigos, Rapidinhas, Sustentabilidade, Tecnologia, Vida? | Com a tag , , , | 1 comentário